Robótica

Novo projeto para limpar o fundo do mar de plástico com robôs autônomos

Novo projeto para limpar o fundo do mar de plástico com robôs autônomos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Plásticos, plásticos em todos os lugares! Da água que bebemos até a Grande Mancha de Lixo do Pacífico, plásticos e todo tipo de lixo estão literalmente em toda parte; então o fato de que o fundo do mar abriga ainda mais dessas provavelmente não será uma surpresa para você.

Felizmente, o Centro Fraunhofer de Logística e Serviços Marítimos (CML) e uma rede internacional de parceiros estão dispostos a resolver esse problema com o uso de robôs autônomos em um projeto chamado SeaClear.

VEJA TAMBÉM: NOVO TIPO DE PLÁSTICO RESILIENTE PODE SER RECICLADO INDEFINITAMENTE

86 milhões de toneladas métricas de plásticos acabam nos oceanos em um ano, de acordo com Fraunhofer, e recolhê-los de volta não é uma tarefa fácil. Para lidar com esse enorme problema, um sistema básico que consiste em um drone aéreo, dois veículos subaquáticos operados remotamente (ROVs) e uma nave de superfície não tripulada para servir como nave-mãe será usado.

Implantado principalmente em áreas costeiras onde o lixo entra no oceano, o drone e um dos ROVs serão usados ​​para localizar os destroços. Se o lixo estiver presente tanto na superfície quanto na coluna d'água, o outro ROV irá até o fundo do mar e carregará o lixo que acabou ali com seu dispositivo de pega e sucção customizado. Depois, tudo será levado de volta e descartado em uma caixa central.

Diferenciar o lixo de animais marinhos e estruturas naturais é outro ponto importante. O segundo ROV usará algoritmos baseados em inteligência artificial para estabelecer isso.

Atualmente, a tecnologia está sendo testada em dois locais diferentes, em profundidades de 66 a 98 pés (20 a 30 mt), em Hamburgo, na Alemanha, e em Dubrovnik, na Croácia. O SeaClear terá dados diversos, uma vez que esses locais são bem diferentes, com a costa de Hamburgo sendo uma área industrial com baixa visibilidade subaquática e a costa croata sendo um local limpo e calmo, popular entre os turistas.

Quando o teste terminar, estaremos um passo mais perto de resolver nosso problema de lixo. O gerente de projeto Johannes Oeffner afirma: "Considerando que as previsões esperam que a produção de plástico quadruplique até 2050, teremos um grande problema se não agirmos. De acordo com o Fórum Econômico Mundial WEF, a proporção de plástico para peixes em 2014 foi de um para cinco - em 2050, pode haver tantos resíduos de plástico quanto peixes. "


Assista o vídeo: 17a. SNCT: Seminários de ICT - Segunda-feira 1910 Noite (Pode 2022).